Acorda, educador!

Acorda, educador Se o aluno dorme,
dorme porque o educador
o acalenta em seu mais profundo sono,
com uma aula que embalassono.
Certamente um sono cansado de estar adormecido.
Mas, se o aluno mantém-se acordado,
é porque o professor, mesmo dissertando sobre o
ponto mais difícil,
o emociona, o estimula.
Dispensar o sono do aluno é dominar a biologia do amor.
E dominar a biologia do amor é instigar, é realizar o
respeito mútuo.
Por que sacudi-lo em sua massa corporal?
Sacuda-o em sua emoção, em sua reflexão!
Não tema exortar o saber, o conhecimento!
Por que baixar a voz
se não é a voz baixa que o faz dormir?
Grite, professor! Grite com o apego da reflexão.
Faça-o admitir que pensar pode ser pensando;
analisar pode ser analisando; e
toda terminação ar pode ser ando.

Exceto parar, esperando.
Faça uso do espaço-aprendizagem para que
educador e educando
possam vir a ser.
E, para tanto, só estimulando, com sapiência,
o fazer/fazendo.
Seja Cristo, seja Buda, foque o centro!
Fale baixo, mas faça-se ouvir.
Mude o presente de um passado sonolento, sem sonhos.
Faça justiça com o todo que somos.
E o todo que somos é um templo sagrado.
E um templohumanossagrado é belo, é justo, é
saudável e é sagrado!
Conspire a favor da inteireza humana em nome
de uma feliz humanidade
em sua própria humanidade.
Faça acontecer o sentirpensar.
Religue a sensação à intuição, o sentimento ao
pensamento, o intelecto ao espírito.
Faça o micromacrohumano acontecer no
micromacromundouniverso,
onde devem habitar os seres também humanos.

(Autora: Maria Thereza Gama)