Ele escreve a ou à Jorge Amado?

Gramática._thumb[2]Depende!

Se ele está escrevendo “para Jorge Amado”, não há o acento da crase:

“Ele escreve a Jorge Amado.” (=para Jorge Amado)

Se ele escreve “à moda ”, “ao estilo” de Jorge Amado, o uso do acento grave é obrigatório:

“Ele escreve à Jorge Amado.” (=ao estilo de Jorge Amado)

Usaremos o acento grave sempre que houver uma destas locuções subentendidas: “à moda de”, “à maneira de” ou “ao estilo de”: “Sapato à Luís XV.”; “Poesia à Manuel Bandeira.”; “Revolução à 1930.”; “Vestir-se à 1800.”; “Filé à francesa.”; “Bife à milanesa.”

Em “Moramos em São Paulo de 1958 a 1960”, não há crase porque não há artigo definido antes de 1960. Em “Elas se vestem à 1960”, há acento grave porque subentendemos “à moda de 1960”.

Se os nossos cardápios fossem bem escritos, em português é claro, teríamos um “festival de crase”: “Viradinho à paulista.” (=à moda de São Paulo); “Tutu àmineira.” (=à moda de Minas); “Camarão à baiana.” (=à moda da Bahia); “Churrasco à gaúcha.” (=à moda gaúcha).

Observe que neste caso o acento grave deve ser usado mesmo antes de palavras masculinas: “Churrasco à Osvaldo Aranha.” (=à moda de Osvaldo Aranha)

 

(Fonte: Sérgio Nogueira)